Empregabilidade pode ajudar a combater a evasão em instituições

Natália Collor

A evasão é uma realidade no sistema educacional e uma das principais preocupações das instituições de ensino superior. Os motivos podem estar relacionados a diversos fatores, como problemas familiares, de aprendizagem ou de entendimento da atuação profissional após a formatura. No entanto, na maior parte dos casos, a evasão está relacionada com aspectos financeiros. Nesses casos em especial, as instituições podem assumir uma postura mais proativa para reverter o cenário antes que o aluno abandone o curso.

A educação superior no Brasil vem se transformando gradativamente, assim como o perfil do aluno. Cada vez mais frequente é a presença de alunos não-tradicionais, tanto na graduação presencial, quanto a distância. Via de regra, esse perfil é formado majoritariamente por pessoas que são as próprias responsáveis pelo investimento financeiro no curso.

Logo, para que esse aluno possa se manter matriculado, é imprescindível que esteja inserido no mercado de trabalho para que possa financiar seus estudos. Além disso, devido ao peso do investimento e da necessidade iminente de colocação profissional, muitos estudantes acabam abandonando o curso, pois não conseguem perceber o valor da sua educação ou por não terem suas expectativas atendidas em relação à inserção no mercado de trabalho.

Um levantamento do IBGE demonstrou que a taxa de desemprego entre jovens de 18 a 24 anos, no segundo trimestre de 2018, estava em 32%. E quando se verifica o percentual de estudantes que estão em busca de estágio, esse quadro mostra-se ainda mais preocupante. De acordo com levantamento mais recente da ABRES (Associação Brasileira de Estágios), apenas 9,2% dos estudantes universitários estagiam.

De acordo com o Panorama dos Concluintes do Ensino Superior, realizado pelo SEMESP, entre os pesquisados que ainda não concluíram o ensino superior, os alunos da rede privada atribuem a não-conclusão principalmente ao fator financeiro. Portanto, uma instituição que se dedica a proporcionar experiências práticas e conectar alunos e empregadores desde o início da formação é capaz de reduzir efetivamente suas taxas de evasão.

A Symplicity tem mais de 20 anos de trabalho com amplos projetos institucionais de empregabilidade pelo mundo e recentemente no Brasil. Este esforço envolve parcerias estratégicas com empregadores a oferta de serviços de carreiras para alunos e egressos. No cenário brasileiro, adquiriu a Contratanet no ano passado, uma empresa brasileira criada com base nas carências do país em relação à educação e com foco justamente em conectar estudantes às vagas no mercado de trabalho.

Alinhadas, as duas empresas se unem para um projeto transformador para a empregabilidade dentro das IES brasileiras. O Gerente da Unidade de Negócio, Rodrigo Madeira, afirma que a ideia foi unir a visão mais refinada e a experiência de projetos mais complexos da Symplicity com a tropicalização e aplicação ao contexto brasileiro que a Contratanet tem. Unindo os esforços para empregar os alunos, a evasão por aspectos financeiros é reduzida e estes estudantes conseguem ser potencializadores da própria aprendizagem.

“O projeto é baseado em automatizar os processos de estágio e oferecer um portal exclusivo com milhares de vagas de estágio e efetivas, uma das principais solicitações de instituições brasileiras. Isto permite à instituição, mesmo com limitação de recursos, oferecer atividades e serviços para os alunos e egressos”, explica Madeira.

Leia também:

Mentoria para mulheres: PUC PR aposta em aconselhamento profissional

Planejamento de vida e carreira: veja dicas para organizar o seu ano

Deixe um Comentário